Política

Haddad pede investigação de Bolsonaro por esquema de divulgação de fake news por WhatsApp

O Partido dos Trabalhadores (PT) entrou com uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pedindo a cassação da campanha de Bolsonaro, alegando um suposto esquema de disseminação e impulsionamento de notícias falsas contra a candidatura de Haddad pelo WhatsApp. Esse esquema foi divulgado ontem, dia 18, pelo jornal Folha de São Paulo e envolveria uma espécie de caixa 2 pago por empresários apoiadores do candidato do Partido Social Liberal (PSL).

“Por meio de caixa dois eles resolveram financiar uma campanha de difamação, de inverdades a meu respeito. O fato é que estamos diante de uma tentativa de fraude eleitoral. E eu fico perplexo de ver que o pressuposto dessa campanha foi liquidar a eleição no primeiro turno para que as notícias de hoje não viessem à tona”, declarou o candidato do PT.

Em retaliação os integrantes da campanha do PSL foram, na tarde de ontem, à Procuradoria-Geral da República, em Brasília, afirmando que desconhecem o esquema e criticando o adversário, a quem devem processar nos próximos dias. A coordenadora jurídica de Bolsonaro, Karina Kufa, afirmou “É de total desconhecimento da campanha. Inclusive, estamos notificando as empresas citadas na matéria. Empresas que não conhecemos, que não temos qualquer contato.

Em nota, o aplicativo WhatsApp informou que investiga o suposto disparo em massa de mensagens falsas contra o PT por grupos de empresários que apoiam o candidato Jair Bolsonaro. “Temos tecnologia de ponta para detecção de spam que identifica contas com comportamento anormal ou automatizado, para que não possam ser usadas para espalhar spam ou desinformação”, informou a nota.

A reportagem da Folha de São Paulo repercutiu pelas redes sociais e os candidatos responderam e defenderam suas posições no Twitter.

Matérias relacionadas