Política

Isenção de impostos para quem recebe até cinco salários mínimos

Se há algo em que os dois candidatos à presidência concordam é em isentar os trabalhadores que recebem menos de cinco salários mínimos paguem imposto de renda sobre pessoa física (IRPF). Medida consta nos planos de governo de Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT).

Tendo em vista que o salário mínimo pode chegar à R$ 1.006,00 no próximo ano e que a medida valeria para quem recebe até R$ 5.030,00 isso custaria R$ 60 bilhões por ano, segundo cálculos do Ministério da Fazenda. Mas, mesmo os candidatos propondo ações semelhantes, há diferenças nas formas de execução.

Jair Bolsonaro defende a isenção do IRPF para quem ganha até cinco salários e uma alíquota única de 20% para quem ganha acima disso. “A proposta do Paulo Guedes do Imposto de Renda, eu até falei: ‘você está sendo ousado’”, afirmou o presidenciável, que completou “a União perderia arrecadação, sim, mas o gás que você daria para as empresas, para os comerciantes, produtores rurais, para empregar gente, desonerando a folha de pagamento, compensa e muito”.

Já Fernando Haddad informa que desonerando quem recebe até cinco salários mínimos e onerando quem está “no andar de cima” a tributação recairia sobre os “super-ricos”. Ele alegou que quem sustenta o Estado é o pobre, que “paga mais imposto proporcionalmente à sua renda”. Disse ainda que os muito ricos “não pagam absolutamente nada, ou paga uma proporção muito pequena de sua renda”. A proposta do petista não traz mais detalhes sobre as alíquotas que serão cobradas para quem ganha mais de cinco salários mínimos.

As regras atuais podem ser encontradas no site da Receita Federal nas quais é isento do IRPF apenas as pessoas que recebem até R$ 1.903,98.

Matérias relacionadas