Notícias

Mais uma etapa da Lava Jato prende Joesley Batista e o vice-governador de Minas

A Operação Capitu, um novo desdobramento da Operação Lava Jato, investiga suposto esquema de corrupção no Ministério da Agricultura durante o governo Dilma Rousseff. O atual vice-governador de Minas Gerais (MG), Antonio Andrade (MDB), era o ministro da pasta na época.

Os envolvidos são acusados de lavagem de dinheiro e, de acordo com a Polícia Federal, a operação busca desarticular uma organização criminosa que atuava também na Câmara dos Deputados. O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) já emitiu 19 mandatos de prisão temporária, entre os presos estão: o ex-ministro, o empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS e o deputado federal eleito Neri Geller (PP-MT), sucessor de Andrade no Ministério da Agricultura.

Segundo a PF, a JBS, teria pago cerca de R$ 7 milhões por ações para ter benefícios junto ao ministério, entre eles a eliminação da concorrência. O TRF-1 foi acionado pelo fato de terem políticos com foro privilegiado envolvidos no esquema. Além das 19 prisões, foram emitidos 63 mandados de busca e apreensão nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraíba, Mato Grosso e no Distrito Federal.

Foram presos também o deputado federal reeleito João Magalhães Bifano, o ex-diretor do grupo J&F e controlador da JBS, Ricardo Saud e Demilton Castro, que atuou na JBS por quase 40 anos. As investigações apontam que Castro pode ter efetuado pagamentos a agentes públicos entre 2007 e 2015.

A operação

A investigação foi baseada na delação premiada do doleiro Lucio Bolonha Funaro e recebeu o nome de Capitu, por causa da personagem dissimulada da obra Dom Casmurro, de Machado de Assis, porque os executivos da JBS, mesmo sendo delatores, estariam atuando para atrapalhar o inquérito.

Os investigadores apontaram uma “clara comprovação de que empresários e funcionários do grupo (JBS) teriam praticado atos de obstrução de justiça”, segundo relatório da PF. Os alvos da operação de hoje (9) serão indiciados pelos crimes de constituição e participação em organização criminosa, obstrução da justiça, corrupção ativa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Matérias relacionadas