Notícias

Servidores da Educação podem receber até sexta-feira

A secretária de Economia, Cristiane Schmidt, confirmou que Fátima Gavioli, da Educação, terá liberdade de quitar a folha de dezembro dos servidores da educação. Segundo a presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Goiás (Sintego), Bia de Lima, o dinheiro viria de verbas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

A informação foi confirmada pela secretária de Economia, pois ela dará liberdade para que os secretários possam gerir as verbas destinadas à cada pasta. “No caso da professora Fátima eu tenho um repasse constitucional para passar para ela, diferente de qualquer outra classe. Então ela vai, dentro dos marcos legais, utilizar o dinheiro que pode ser usado para pagar salários”, explicou.

Conforme a titular da Educação, os professores com salários de até R$ 2,7 mil (líquido), terão os vencimentos de dezembro de 2018 depositados nos próximos dias. Isso equivale a 33% da folha salarial que deixou de ser paga pelo governo anterior, um total de 16.449 servidores da pasta.

A divisão do montante empenhado gira em torno de R$ 31,9 milhões, sendo R$ 3 milhões do tesouro estadual e R$ 29 milhões provenientes do Fundeb. O total da folha de dezembro é de R$ 298 milhões e inclui auxilio alimentação e bônus de assiduidade. Para a presidente do Sintego o início do pagamento é um alívio e mostra o comprometimento do governo em quitar as dívidas estaduais.

Dívida de Goiás

O governador Ronaldo Caiado anunciou o pagamento dessa fatia da Educação na última segunda-feira (28) e disse que “nossos alunos não têm de pagar pelos crimes praticados por nossos antecessores”. Ele também elogiou os resultados apresentados pela Secretaria de Educação. “Em pouco tempo a secretária Fátima conseguiu reduzir os custos da Secretaria e aumentar a eficiência”, afirmou.

Caiado renunciou ao salário dele, no valor de R$ 25 mil, até a quitação da folha de dezembro. Segundo o governador a dívida deixada pelo ex-governador Zé Eliton é de cerca de R$ 3,4 bilhões, com apenas R$ 11 milhões em caixa.

Matérias relacionadas