novembro 18, 2019
Mercado

Taxa de desemprego se mantem estável, segundo IBGE

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou hoje (31) os dados da taxa de desemprego no Brasil. O número do trimestre encerrado em setembro se manteve em 11,8%, o mesmo desde julho desse ano, o equivalente à 12,5 milhões de pessoas. Esse número é inferior ao mesmo período do ano passado, mas ainda não superou os 11,6% entre novembro de 2018 e janeiro de 2019.

Especialistas acreditam que a causa dessa queda é a entrada dos trabalhadores temporários para as festas do fim do ano, mas pode ser um bom sinal, já que a queda nos números começou um pouco antes esse ano. Porém, os dados mostram que o desemprego persiste e que as vagas criadas são precárias e estão sendo puxadas pela informalidade.

Na comparação com o mesmo trimestre de 2018, houve um aumento de 1,5 milhões de pessoas ocupadas, mas, dessas vagas, 41,4% estão nos trabalhos sem carteira assinada ou nas empresas sem CNPJ. São 38,8 milhões de informais, sendo:

  • 11,84 milhões de empregados no setor privado sem carteira assinada;
  • 4,54 milhões de trabalhadores domésticos sem carteira assinada;
  • 19,5 milhões de trabalhadores por conta própria sem CNPJ;
  • 801 mil empregadores sem CNPJ;
  • 2,13 mil trabalhadores familiares.

O IBGE informou que a agricultura e a pecuária foram as áreas que mais registraram quedas, foram 144 mil trabalhadores a menos. Todas as outras aumentaram o número de trabalhadores, mas apenas a construção civil teve aumento considerável, foram 254 mil pessoas empregadas a mais.

A taxa de subutilização da força de trabalho ficou em 24% no trimestre, isso significa que ainda falta trabalho para 27,5 milhões, 1 milhão a menos que nos últimos três meses, mas 300 mil pessoas a mais que no fim de 2018. Entre os subutilizados, o IBGE aponta que:

  • 12,5 milhões estão desempregados;
  • 4,7 milhões desistiram de procurar emprego;
  • 7 milhões trabalham menos horas do que gostariam;
  • 3,1 milhões fazem parte da força de trabalho em potencial, ou seja, estão disponíveis, mas não podem assumir as vagas.

Matérias relacionadas