novembro 18, 2019
Saúde

Tosse e tempo seco, quando devo me preocupar?

Tossir é um mecanismo de defesa ou reflexo do organismo utilizado para expelir algo que esteja dentro das vias respiratórias. Porém, se a tosse for muito intensa ou persistente ele pode influenciar negativamente a qualidade de vida. No período frio os consultórios médicos ficam repletos de pessoas que se queixam desse sintoma, mas muitas pessoas não dão a devida atenção ao problema.

Cientistas afirmam que 8% da população global conviva com uma tosse crônica, especialmente em regiões metropolitanas, onde há uma exposição maior aos agentes irritantes, isso sem falar de outros problemas que reduzem as defesas do corpo (imunidade) que aumentam o número de pacientes nessa condição.

Existem vários fatores que contribuem para o aparecimento da tosse. A infecção por vírus e bactérias é um deles, que tende a se agravar nos meses mais frios. Rinite, poluição, baixa umidade do ar, agentes químicos, alergênicos e cigarro também entram nessa lista. Uma exposição a qualquer um desses elementos precisa ser apresentado ao médico para que as melhores providências sejam tomadas, para que a tosse não se torne crônica.

Existem vários tipos de tosse e todas elas precisam ser descritas ao profissional de saúde quando for necessário o tratamento. A principal variável é o tempo de duração da tosse e desde quando os sintomas começaram a aparecer.

  • Tosse de curta duração (aguda): é aquela que dura até três semanas e, na maioria das vezes, é infecciosa. Nos meses do inverno, sete em cada dez casos são viroses. Nesta classe, as causas mais comuns são resfriados, gripes, alergias e asma.
  • Tosse de longa duração ou persistente: o sintoma permanece com o tempo. Nesse grupo se encaixam as tosses subagudas (que duram de três a oito semanas) e as crônicas (mais que oito semanas).

Caso não haja uma investigação médica mais apurada a tosse pode se agravar e se tornar até outras doenças:

  • Asma: na maioria das vezes, a tosse se manifesta junto ao chiado no peito (sibilância) e a falta de ar (dispneia). “A tosse é um dos sintomas cardinais da asma. Entretanto, em alguns indivíduos, ela pode ser o único sintoma”, adverte Priscila Megumi Takejima, do Departamento Científico de Rinite da Asbai (Associação Brasileira de Alergia e Imunologia).
  • Rinite: aqui, a tosse geralmente é mais seca, há pouca secreção (catarro) e ainda é acompanhada por coriza, espirros e nariz entupido.
  • Sinusite: o sintoma é mais forte e frequente, há secreção (catarro), e observa-se piora no final do dia ou ao deitar, exatamente quando a secreção desce (drena) dos seios da face para a faringe e a laringe, gerando o reflexo da tosse.

Em todos os casos, quando a tosse persiste por mais de três semanas, o médico deverá ser consultado.

Porém existem formas de se evitar a tosse, como ela é apenas um sintoma, tratar da doença previne que ela se manifeste. Em todos os casos, algumas atitudes, se tomadas, evitam que enfermidades apareçam:

  • Cultive um estilo de vida saudável;
  • Mantenha completo o calendário de vacinação de crianças e idosos sob sua responsabilidade;
  • Vacine-se contra a gripe antes do inverno;
  • Procure ajuda médica tão logo perceba que a tosse não passa;
  • Evite a automedicação;
  • Esteja atento à higiene das mãos lavando-a com frequência ou usando álcool 70;
  • Pratique a etiqueta da tosse: ao tossir, acostume-se a usar a parte interna do cotovelo para cobrir a boca. Quando você usa a mão e toca objetos, espalha os agentes infecciosos por toda a parte, especialmente porque eles sobrevivem em superfícies duras por até por 72 horas;
  • Cubra a boca e o nariz com lenços descartáveis ao tossir e, depois, descarte-os;
  • Afaste-se de locais com muita aglomeração e sem ventilação;
  • Mantenha distância das pessoas ao conversar;
  • Capriche na hidratação, especialmente nos dias secos e se você trabalha exposto ao ar-condicionado;
  • Evite o tabagismo;
  • Faça lavagens nasais com soro fisiológico;
  • Mantenha o peso adequado à sua idade e altura;
  • Prefira bebidas não gaseificadas;
  • Reduza o consumo de frituras; Evite deitar-se após comer ou beber.

Matérias relacionadas