Esportes

VAR rouba a cena na final da Copa do Brasil

O árbitro assistente de vídeo (VAR, na sigla em inglês) já causou muita polêmica no futebol mundial, principalmente no Brasil. Há quem vê a importância da utilização das imagens para a tomada de decisão durante uma partida, mas também existem pessoas que preferem deixar que o árbitro principal resolva os lances duvidosos no calor da partida.

No Brasil o árbitro de vídeo é utilizado na Copa do Brasil e causou muita polêmica na final do campeonato, ontem, dia 17, entre Corinthians e Cruzeiro. Onde um pênalti e uma falta que anulou um gol do Timão foram marcados com o auxílio do vídeo. No primeiro lance o árbitro principal não marcou nada, mas alertado pelo rádio, foi até a estação de vídeo e entendeu que Thiago Neves fez pênalti em Ralf.

O outro episódio foi aos 24 minutos do segundo tempo quando Pedrinho surpreendeu o goleiro Fábio e fez um golaço de fora da área. Mas o árbitro principal, novamente alertado pelo rádio, reviu o lance e marcou falta de Jadson em Dedé, no início da jogada. Aí a polêmica surge, o VAR não seria apenas para tirar dúvidas do árbitro em campo? Se ele foi chamado pelo rádio, provavelmente ele já havia tomado a decisão, ou não?

Ambos os lances deixaram dúvidas entre os comentaristas do futebol e principalmente entre os torcedores. Segundo o jornalista da ESPN, Fabio Chiorino, pelo twitter, “o VAR é a evolução natural do futebol. Mas, dado o nível da arbitragem da brasileira, é como colocar um iPhone na pata de um buldogue”. O resultado foi de 2 X 1 para o Cruzeiro que se sagrou campeão da Copa do Brasil pela 6ª vez.

Outros esportes, como o tênis e o vôlei, já utilizam o VAR há muitos anos, mas o primeiro a usar esse artificio foi o futebol americano. No NFL, principal liga de futebol americano nos Estados Unidos, o árbitro de vídeo começou a ser implantado em 1976, mas devido ao alto custo ficou esquecido até 1985. No ano seguinte já estava sendo utilizado em todas as partidas da pré-temporada da competição.

No futebol o VAR ficou famoso na Copa do Mundo da Rússia, mas ele já havia sido aprovado em 2016 pela International Football Association Board (IFAB), órgão que regulamenta as regras do futebol. Foi utilizado pela primeira vez no campeonato norte-americano conhecido como Liga Unida de Futebol (USL, na sigla em inglês), em agosto do mesmo ano.

Matérias relacionadas